quinta-feira, 28 de maio de 2009

O poeta depara-se com a folha em branco de papel



O poeta depara-se com a folha em branco de papel


Ele deparava-se com a folha, a folha de papel em branco.

Aquela manhã fora pior que todas as outras, pois a noite havia sido passada em claro e a folha branca ainda não havia sido vencida, aquele branco cruel e silencioso.


A primeira lagrima correu nas olheiras da noite anterior, torneou o nariz e saltou no ar caiu borrando o branco silêncio de papel; a segunda lagrima veio mais forte e grossa no mesmo percurso caiu e borrou mais uma vez o branco do papel. Estavam lá duas manchas salgadas transparecendo levemente a alteração no papel; mas ele sabia que aquelas marcas tão tristes e salgadas eram só o começo, e não eram o bastante para apagar a expressa brancura do papel.


A idéia fixou-se rápida e elegante como a lâmina que já o perfurava-o nos pulsos, alem das marcas lacrimais jorravam matando o branco da folha de papel as lagrimas vermelhas de sangue quente e pulsante.


Autor (Eu) Guiovan Clementino de Oliveira

19 comentários:

Beto Uchôa disse...

Que forte o texto mano, realemnte eh muito ruim quano nao coseguimos consentrar a mente paa escrever lgo neh.
Abraço

Canto do Lufa disse...

Bom primeiramente muito obrigado pelo seu comentário que foi lindo!

Agora eu queria retribuir com o seu blog!

Essa foto é fantástica!
O texto é denso e dramático!

É muito bom!
A parte que gostei foi essa:

"idéia fixou-se rápida e elegante como a lâmina que já o perfurava-o nos pulsos".

Eu senti o arder de uma lâmina na idéia que havia me invadido!


Parabens!

Camis disse...

Que bom que gostou do de menino!
Não foi dificil, ele tem até algum fundo pessoal,sabe...No fundo mesmo,todos os meus textos tem :$

Fico feliz que gostei deles pq você realmente parece ser uma pessoa bem legal :D

www.conto-um-conto.blogspot.com

Geraldo Samuel disse...

Parabéns pelo texto cara, que inspiração, gostei muito do blog.
fica na paz e continue escrevendo coisas assim, muito bom.

Diego Janjão disse...

huahua

achei q qdo vc falou que acordava sem dinheiro no bolso era pq te roubavam,mas era pq vc gastava,rsrs

menos mal...

ow,teu blog eh show,rapa!

ta de parabens,hein?e visite-me mais vezes se puder!

flw!

Rayos de Luna disse...

Como sempre, gosto muito dos seus textos... Nossa, vamos ver uma das reflexões que tive ao ler...
Não sei as sensações desse poeta na agonia da folha em branco, pois acho que o bom sabor é quando as palavras só buscam o papel quando já estão querendo sair a tona, e não numa busca 'exigida' em surgir. Por outro lado esse papel em branco me parece um vazio que surgia naquela manhã e a vontade em querer 'jorrar' suas agonias no papel...
Enfim... vc me faz viajar menino, rs parabéns Guiovan, te espero lá viu?!
www.tocou.blogspot.com
www.raianareis.blogspot.com

Danilo Moreira disse...

Adorei a foto.

Nao é facil enfrentar o papel em branco, ainda mais naqueles dias que as suas armas parecem tão escassas.

Abçs!!!!

http://blogpontotres.blogspot.com/

atualizado!!

Julio Cesar disse...

Se ele tivesse comprado uma BIC ,não teria passado por isso!!!

Bruno disse...

Li todos seus textos... me lembravam os meus... Muito interessante tudo isso aqui. Irei comentar mais depois.
seguí-lo-ei.
abç

Willier N. disse...

Nossa, cara! Palmas e palmas pra vc. Aliás, uma salva de palmas pra esse texto. uma salva de palmas de meia hora! auhsuahs....
Falando sério, muito bom! Muito bom mesmo! Forte, intenso, provocante.
Passa sentimento, amargura...não sei definir bem o que eu senti lendo aqui.
Tá muito bom.
Parabéns, de verdade. Seus textos são ótimos!

Atualizei aqui o terceiro capítulo, e espero sua visita e opinião hein! Sério.
http://cereja-capuccino.blogspot.com/

Abraços!

Groo disse...

A imagem conferiu maior dramaticidade ao seu texto, que por si é carregado de imagens fortes, vigorosas.

Eu não tenho medo de folhas em branco. Pode demorar, mas ela me desafia e eu venço.

abs!

Isadora disse...

Bem interessante seu blog. :D
sucesso.

Nely ✿ disse...

Nossa. Que texto BOM! Raro no submundo dos blogs!
Muito bom seu blog, rapaz, ótimas poesias.
\o/ Parabéns!

Arthur Lisboa disse...

Poema forte... eu ia preferir o papel ainda em branco mas poetas verdadeiros nunca deixam isso acontecer, certo?

Inez disse...

O papel em branco não trás a inspiração, mas a lágrima a coloca nas veias.
Parabéns pelo texto.

BRUNO disse...

É impressionante a estreiteza que existe entre o dom de criar análogo ao de destruir, o sangue pode servir de tinta, afinal, um papel em branco não tem esse poder, e sim a criação.

Abraços!

Leticia disse...

Adorei seu blog

beijo

Visite:http://brise-coeur.blogspot.com/

Leonardo disse...

Muito bom o texto!
Parabéns

http://leonardobslima.blogspot.com/

Érika dos Anjos disse...

Nossa! Muito bacana o texto e a foto é praticamente autoexplicativa. Por isso, acredito que seria legal vc colocá-la após o texto, não? Pois, quando começamos a ler, já sabemos o que vai acontecer no fim.

Só uma sugestão!

Parabéns pelo blog!

Abs.
Érika dos Anjos
http://www.oquartoelemento.com.br